Hoje, muito se fala sobre o assunto, mas a maioria das pessoas não sabe de fato o que é. O Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), é um transtorno do neurodesenvolvimento, não tem cura e caracteriza-se pela dificuldade de comunicação e interação social e pela presença de comportamentos e/ou interesses restritos ou repetitivos. Essas características são as principais, porém, a gravidade é variável.

A prevalência é maior em meninos do que em meninas (4:1), e estima-se que em 30% dos casos apresentam deficiência intelectual. O TEA tem origem nos primeiros anos de vida, em algumas crianças os sinais podem surgir logo após o nascimento, porém, na maioria dos casos, os sintomas são melhor identificados entre 12 e 24 meses.

Hoje, vemos um aumento no número de casos de TEA. Esse aumento se dá, em grande parte, devido a ampliação dos critérios diagnósticos e desenvolvimento de instrumentos de rastreamento e diagnóstico.

O TEA é causado por fatores genéticos e ambientais como idade avançada dos pais no momento da concepção, extrema negligência dos cuidados da criança, exposição a certas medicações na gestação, nascimento prematuro e baixo peso ao nascer.

Conhecer os sinais precocemente é muito importante, pois a intervenção precoce pode alterar o prognóstico e amenizar os sintomas.

Alguns sinais de alerta importantes relatados pela Sociedade Brasileira de Pediatria:

6 meses: poucas expressões faciais, pouco contato ocular, ausência de sorriso social e pouco engajamento sociocomunicativo.

9 meses: não faz troca de turno comunicativa, não balbucia “mama/papa”, não olha quando chamado, não olha para onde o adulto aponta, imitação pouca ou ausente.

12 meses: ausência de balbucios, não apresenta gestos convencionais (ex: dar tchau), Não fala mamãe/papai, ausência de atenção compartilhada.
Outro sinal importante é a perda de habilidades em qualquer idade.

A Academia Americana de Pediatra e a Sociedade Brasileira de Pediatria orientam que toda criança seja triada entre 18-24 meses de idade para o TEA, mesmo que não tenha sinais clínicos claros deste diagnóstico ou de outros atrasos no desenvolvimento. Por que isso? Apesar de percebermos os sinais cedo, a maioria dos diagnósticos ocorrem entre 4 ou 5 anos. Um diagnóstico nessa idade é considerado tardio, tendo em vista que o período de intervenção precoce está associado a ganhos no funcionamento cognitivo e adaptativo da criança.

Ao menor sinal de suspeita, procure ajuda. Procure o Pediatra para conversar e juntos realizar testes de triagem e possíveis encaminhamentos. Esperar para ver o que vai dar nunca é a melhor opção.
Gostaria de deixar para vocês a referência do Manual de Orientação de TEA da Sociedade Brasileira de Pediatria, onde usei como referência e tem muitas informações para pais, profissionais e interessados no assunto. Você pode encontrar nele também mais sinais de alerta importantes a serem observados.

Fonte: Sociedade Brasileira de Pediatria. Manual de Orientação – Departamento Científico de Pediatria do Desenvolvimento e Comportamento. Transtorno do Espectro do Autismo. 05, Abril, 2019.