Após passar sete meses de sua vida em um quarto de hospital, o advogado Guilherme Kovalski, de 36 anos, foi curado da Covid-19. Desse período no Hospital Marcelino Champagnat, no Paraná, ele passou cinco meses na UTI. O homem hoje é um testemunho vivo do poder de Deus.

Natural de Curitiba, Guilherme sentiu os primeiros sintomas de tosse e febre em 23 de julho de 2020. Desde então vinha lutando contra a doença, estando internado e respirando por aparelhos. “Fui internado e, logo no primeiro dia, tive embolia pulmonar. Isso comprometeu 90% dos meus pulmões e fez a equipe médica decidir pela minha intubação”, disse ele.

A partir desse momento, Guilherme precisou se despedir da família por vídeo chamada, como conta ao jornal Gazeta do Povo. Seu maior medo era deixar sua esposa e duas filhas, uma de 7 anos e outra de 10 meses, desamparadas. “Ser intubado foi o pior momento para mim. Eu pensava em tudo que ainda tinha para fazer neste mundo e, principalmente, em criar minhas filhas”, confessou.

Enquanto estava internado, Guilherme mantinha contato com as três mulheres de sua vida, o que lhe dava ânimo para vencer a fase complicada. As mensagens de áudio eram colocadas pelos médicos para que ele pudesse ouvir e se fortalecer. “Eu estava com medo, mas acreditei que Deus me ajudaria a ver minha família novamente”, testemunhou.

Palavras de coragem e esperança também eram ministradas pela equipe intensivista: “Disseram para eu ser forte que logo estaria bem”, conta o advogado.

O resultado de todo o esforço reverteu em sua melhora após 101 dias na UTI. Foram retirados os tubos que o auxiliaram na respiração e ele foi transferido para a enfermaria. Na época, a família e amigos não perderam tempo em comemorar a primeira vitória e fizeram uma serenata para ele em frente ao Hospital, soltando 101 balões representando os dias de luta.

No entanto, o quadro do advogado piorou novamente e precisou voltar à Unidade de Tratamento Intensivo por mais 74 dias. Com a Covid-19 evoluindo para pneumonia, o advogado perdeu 25 quilos, a fala e os movimentos das pernas por causa do longo tempo de internação.

Para a surpresa dos médicos e alegria dos que o amam, Guilherme se recuperou e os últimos três meses em casa foram em tratamento fisioterápico e se alimentando por cateter. “Atualmente ainda não consigo andar, mas já posso falar, me alimento com comida normal e valorizo detalhes, como um simples gole de água, cada dia é melhor que o outro”, declarou.

Hoje, Guilherme já está de volta ao trabalho em home office e conta o seu testemunho de cura em sua conta do Instagram: “Hoje me sinto vivo e útil. Me sinto amado e agraciado por Deus por tudo o que me proporcionou”.