No momento em que fases restritivas de combate à disseminação da Covid-19 é estabelecida em vários estados, a Frente Parlamentar Evangélica publica uma nota de repúdio à decisão que inviabiliza a realização de cultos. O comunicado foi feito nesta segunda-feira (15) nas redes sociais da FPE, dia em que o país registra 279.286 mortes pela doença.

Segundo o comunicado, a igreja faz parte dos serviços essenciais e os governos estaduais não podem “restringir e embaraçar as atividades religiosas”. A FPE informa que compreende que o momento de gravidade da saúde pública requer medidas de contenção, no entanto, proibir o culto é infringir o direito fundamental definido pela Constituição Federal.

O estado de São Paulo entrou ontem na fase vermelha, que prevê toque de recolher de 20h às 5h. Até o dia 30 de março, atividades esportivas coletivas e celebração de cultos religiosos estão suspensas. Minas Gerais, por sua vez, entrará na onda roxa nesta quarta-feira (17) pelos próximos 15 dias. A medida é a mais severa do programa Minas Consciente e estabelece as mesmas condições da fase vermelha, porém, adiciona-se o fato de as cidades precisarem adotar barreiras sanitárias e proibirem eventos públicos e privados.

O deputado Cezinha de Madureira (PSD-SP), que assina o documento, diz que a organização continuará vigilante e buscará os meios legais para garantir o livre exercício religioso. “Não nos calaremos”, finaliza a nota.