No dia 31 de outubro, as igrejas protestantes de todas as doutrinas e nações comemoram o Dia da Reforma Protestante — e não o Halloween. 

Chegando ao seu 504º aniversário em 2021, a data nos relembra o dia em que o monge alemão Martinho Lutero divulgou suas 95 teses, protestando contra a venda de indulgências (tanto que o texto também é conhecido como “Disputação do doutor Martinho Lutero sobre o poder e eficácia das indulgências”) e uma série de outros problemas que enxergava na igreja de sua época.

Ao longo dos anos, suas crenças foram sendo condensadas em princípios, que se tornaram basilares para a fé cristã protestante que vivemos hoje. Nós os conhecemos pelo nome de “Cinco Solas”: Sola fide (somente a fé); Sola scriptura (somente a escritura); Solus Christus (somente Cristo); Sola gratia (somente a graça); Soli Deo gloria (glória somente a Deus).

Como os seres humanos têm a tendência a repetir erros, é sempre importante revisitarmos estes conceitos e entendermos como eles se aplicam à nossa vida atual. Neste texto vamos buscar compreender quais aprendizados a igreja contemporânea pode obter com as cinco solas.

Somente a Escritura

reforma protestante - homem lendo a bíblia

Vivemos na Era da Informação, onde é possível ler e ouvir sobre tudo, sendo verdade ou mentira, sendo que as informações falsas são cada vez mais elaboradas e “fazem sentido” à primeira vista. Os cristãos não estão alheios a isso e nem passam ilesos no meio deste “tiroteio” informacional.

Jesus nos ensina, em Mateus 7:15, a termos cuidado com os falsos profetas, que vêm vestidos em pele de ovelhas (ou seja, aparentam serem legais, dedicados à causa cristã) mas, no fundo, são lobos devoradores. 

Se o próprio Senhor nos conclama a estarmos alertas, seríamos ingênuos ao pensar que não lidaremos com pessoas do tipo em algum momento da vida, por mais espertos que sejamos.

A solução para detectá-los são seus frutos. O discurso é legal, mas os atos são questionáveis? Corra.

Além disso, devemos viver como os crentes de Beréia (Atos 17), que não saíam acreditando em tudo o que ouviam, mas buscavam nas Escrituras para saber o que elas nos orientam. 

Somente na Bíblia temos os exemplos corretos e os ensinamentos que nos guiam a tomar as decisões certas na vida. Cuidado com os falsos profetas e as mentiras que são pregadas por aí. O discernimento está em conhecer e prosseguir, conhecer o Senhor e sua Palavra.

Somente Cristo

reforma protestante - cruz no por do sol

O mundo é cada vez mais materialista, ostentador e dependente do consumo. A pressão por ter, que tem se tornado sinônimo de ser, criou uma geração de pessoas doentes. Algumas delas chegam ao limite do consumo compulsivo, em comportamento que virou doença e ganhou nome: Oniomania.

Mas não é necessário ser oniomaníaco para sofrer as consequências. Há uma doença que permeia toda a nossa sociedade, causada pela busca desenfreada por coisas do mundo: o egoísmo. E isso é o oposto do que somos chamados a ser: generosos, devotados e preocupados com os nossos irmãos.

A solução para isso também está na Palavra de Deus. Devemos buscar a Cristo, seu Reino e sua Justiça em primeiro lugar (Mateus 6:33), pois só assim seremos prósperos de verdade (e todas as demais coisas vos serão acrescentadas) e saberemos amar o próximo.

Somente Jesus é nosso exemplo de vida e de como ter um coração altruísta e doador. Ele deve ser nosso padrão de beleza, de postura, de etiqueta, de consumo etc.

Somente a Graça

reforma protestante - homem sendo abençoado

Por mais que nos esforcemos para viver em santidade, nenhuma de nossas ações é capaz de nos aproximar um centímetro sequer da salvação. É somente pela graça de Deus, por meio da fé que somos salvos. “… e isso não vem de vós, é dom de Deus” (Efésios 2.8b).

Se existe meritocracia no Evangelho, toda ela se concentra em Jesus. Ele é o único digno de toda honra, glória, louvor e mérito. Nós simplesmente somos alvos e beneficiários de sua graça e misericórdia.

Podemos conquistar tudo: conhecimento, bens, dinheiro e status, mas nada disso nos dá a vida eterna. Por ironia, cada vez mais vemos igrejas focadas nos primeiros prêmios e se esquecendo do último, que, na verdade, é o único que deveríamos estar buscando.

A resposta a isso é compreendermos que o orgulho nos afasta de Deus. Em contrapartida, a humildade nos aproxima dele. O caminho é abrir mão do falso mérito de tudo o que conquistamos e reconhecer que tudo vem de Deus.

Somente a Fé

homem orando

A pandemia de Covid-19 foi e tem sido um período em que os cristãos sofreram com diversos impactos. Mas como ter esperança de dias melhores quando tudo parece desabar sob os nossos pés? 

A ansiedade se tornou o mal do século e pesquisas indicam que o Brasil é o país que mais sofre com a patologia, sendo que quase 19 milhões de pessoas são afetadas pela doença de alguma forma (e devem procurar cuidados médicos). 

Ter fé em Deus não significa que não estamos sujeitos a passar por provações como essas doenças (e, de novo, que precisamos buscar por ajuda especializada). Quer dizer que reconhecemos que somos fracos e que sabemos que o Senhor nos acompanha mesmo quando andamos pelo vale das provações.

Do ponto de vista espiritual, a fé em Cristo é o que nos sustenta e nos dá força para prosseguir. Precisamos entender que tudo o que vivemos nessa terra tem um propósito e é passageiro, tendo fé que um dia viveremos com Cristo na Glória e sabendo que somos peregrinos neste mundo,  cidadãos do céu, de onde virá o nosso Salvador (Filipenses 3:20).

Quando não temos fé que Deus tem o controle de todas as coisas, nos desanimamos e perdemos o foco. Nosso propósito é muito maior do que pensamos. Deus sempre tem planos para nossas vidas e, por isso, precisamos ter fé n’Aquele que venceu o mundo. Perseverança é a chave.

Somente a Deus a Glória

homem adorando a Deus

Por fim, mas não menos importante, precisamos reconhecer que o Senhor é o único Deus e não há outro além dele. Mas não falamos de um reconhecimento subjetivo, na mente. Falamos de prática. Afinal, a idolatria nasce no coração e transborda para todas as áreas da vida, gerando outros deuses.

Somos uma geração altamente idólatra, mesmo que sintamos uma tranquilidade falsa quanto a isso por não termos imagens de escultura dentro de nossas casas.

Seja o nosso celular (segundo pesquisa do APP Annie Intelligence, o brasileiro passa 5,4 horas por dia em frente ao aparelho – maior índice do mundo), um pastor muito abençoado, a televisão, o  trabalho, os estudos ou um cônjuge, praticamente tudo pode ser um ídolo. Basta apenas que esse algo ou alguém tome o lugar de Deus em nossos corações como a coisa mais importante de nossas vidas.

E só há uma forma de resolver isso: precisamos investir tempo de qualidade no nosso relacionamento com Deus. Passar mais tempo orando, lendo a Bíblia, e buscando  conhecer ao Senhor ativamente. 

Além disso, devemos amá-lo de todo o coração. O Senhor não aceita dividir o trono de nossas vidas com nada nem ninguém.

Portanto, glorifiquemos a Deus em tudo o que fazemos, em qualquer lugar. Nossa maneira de viver deve honrá-lo a todo momento.

Enfim, há muito o que aprendermos com os nossos irmãos que compartilharam de suas dúvidas e aprendizados ao longo da história para não cairmos nos mesmos erros e para construirmos um alicerce sólido para as gerações que virão. Que nossos ouvidos estejam abertos para ouvir!