A última sexta-feira (26) foi marcada por mais um atentado a cristãos. A Igreja Missionária em Cuba, liderada por Yoel Demetrio, foi apedrejada durante um culto na cidade de Las Tunas.

O pastor Yoel disse que a congregação estava se reunindo para começar uma vigília. Nesse momento, os irmãos perceberam que pedras estavam sendo lançadas contra o templo. A informação é que ninguém ficou ferido no ataque.

Yoel testemunhou o ocorrido em sua conta no Facebook. Ele é um conhecido crítico do regime socialista que governa o país há anos. “Sabemos que o reino das trevas está assustado, porque lhe resta pouco tempo em Cuba”, disse o líder.

A Igreja Missionária faz parte de uma campanha de oração que une cerca de 100 mil cubanos para interceder pela situação política, social e econômica do país. Todo mês de março, cristãos evangélicos se reúnem em um clamor a Deus.

“O sistema comunista de Cuba tem o hábito de mandar criminosos para atirar pedras na congregação”, revelou o pastor em entrevista ao Diário de Cuba. Outros atentados já aconteceram contra a igreja que, frequentemente, é alvo de pedras durante as realizações de culto.

O pastor denunciou ainda que o Movimento Apostólico, do qual faz parte, sofre com represálias do Estado. A rede, que inclui várias igrejas evangélicas, teve alguns de seus pastores presos, templos demolidos, propriedades confiscadas e recebem ameaças com a intenção de impedir os cultos.

Outras congregações foram alvo de apedrejadores da mesma forma em 2020. Segundo informações do Diário de Cuba, em outubro, a Iglesia del Evangelio Completo Roca Eterna disse que os ataques com pedras aconteceram por vários meses.

Apesar das constantes perseguições, Demetrio Yoel faz um apelo: “Pedimos a Deus que aqueles que ordenaram este ataque de pedras contra a igreja, se arrependam e saibam que Deus sempre abençoa seus filhos”.

 

Fonte: Com informações do Diário de Cuba