O período de graduação é um período de transformações. A pessoa que se forma é totalmente diferente daquela que, alguns anos antes, começou o curso. Há amadurecimento e crescimento, tanto profissional quanto pessoal.

Assim, é natural que seja um período repleto de desafios e questionamentos. Com o cristão não é diferente, pois o ambiente acadêmico é, em grande parte, hostil e contrário aos princípios e valores da Palavra de Deus.

Neste artigo quero destacar alguns desses desafios próprios dos cristãos, bem como apresentar sugestões de como vencê-los.

Manter a fé no ambiente acadêmico

O primeiro desafio experimentado certamente é o de manter a fé no ambiente acadêmico. Pesquisas feitas com universitários no Brasil e no exterior, mostram que uma pequena parcela dos cristãos que ingressam na universidade mantém a fé ao término do curso.

A universidade hoje é dominada pelo secularismo e nega frontalmente a existência de Deus e tudo que decorre dessa convicção. Assim, o choque de visões de mundo é inevitável e o cristão que não tem uma base sólida certamente será abalado.

Mas isso não pode ser motivo para assustar o cristão. É possível manter a fé firme durante a graduação e até mesmo sair de lá com a fé ainda mais fortalecida. E a solução é simples, não há receita mágica ou solução inovadora. O caminho é o velho e bom conselho que os pastores dão todo domingo: vida de oração, leitura da Palavra e envolvimento com a igreja local.

A caminhada cristã não é um voo sem turbulências e a faculdade pode representar uma verdadeira tempestade. Ventos de dúvida podem atacar de todos os lados e de forma inesperada. Bons livros e muito estudo são fundamentais, mas o cristão que tem relacionamento forte com Jesus e conta com apoio da comunidade local, segue firme sem mudar o rumo. E, ao atravessar o período de dúvidas, o cristão normalmente percebe que elas contribuíram para que a fé se fortalecesse.

Ridicularização por causa da fé

Em segundo lugar, há o desafio da ridicularização por causa da fé.

Existe uma necessidade natural de todo ser humano de ser aceito pelo seu grupo. Ninguém quer ser excluído ou visto como “diferente”. Por isso muitos cristãos se calam diante das provocações dos professores e colegas, sempre rápidos em fazer as corriqueiras (e até repetitivas) piadas e afrontas à fé cristã.

Temas como dízimo, sexo antes do casamento, abstinência de drogas e álcool estão entre os preferidos daqueles que zombam da fé. Isso sem falar no simples fato de o cristão acreditar em Deus, que para muitos universitários já é um absurdo por si só.

Esse desafio, que normalmente paralisa o cristão, só pode ser vencido quando há convicção naquilo que crê. Quando Jesus perguntou aos Doze se eles também não iriam deixá-lo, como a multidão acabara de fazer, Pedro foi categórico: “Senhor, para quem iremos? Tu tens as palavras de vida eterna”, (João 6.68). Quando há conhecimento verdadeiro do Senhor Jesus, qualquer zombaria se torna pequena, qualquer afronta é inofensiva. Pois a fé é a certeza daquilo que se espera e a convicção dos fatos que não se veem, conforme Hebreus 11. Ridicularizado ou não, zombado ou não, o cristão segue firme e anunciando a mensagem da salvação, como o apóstolo Paulo, que disse: “Por essa causa também sofro, mas não me envergonho, porque sei em quem tenho crido”, (II Timóteo 1.12a).

Não espere uma caminhada cristã livre de desafios na universidade. Mas não tenha medo deles, já que o crente alicerçado na Palavra tem todas as condições de vencer.

No próximo artigo continuaremos falando desse importante assunto, abordando outros desafios do cristão na universidade.