Recentemente, a minha empresa foi umas das três selecionadas para receber investimento do fundo Semente Preta, um fundo com foco em startups fundadas ou lideradas por pessoas negras. Recebi a notícia com muita alegria e entusiasmo. É um selo importante, pois testemunha que estamos no caminho certo como empresa.

Com a notícia, veio o famoso “frio na barriga”. Devido a esse movimento do fundo, passamos a ocupar um lugar de evidência, os olhares estão direcionados a nós enquanto empresa e a mim enquanto CEO. Para uma mulher, ocupar o espaço de destaque em uma empresa não é nada fácil. Existem vários desafios que precisam ser vencidos diariamente.

Penso que um deles vem da condição que fomos expostas na própria educação que recebemos, a de que nossa contribuição para o mundo era a de procriarmos e cuidarmos dos filhos e da casa. Com isso, todas as vezes que rompemos com essa estrutura de pensamento vem a tão falada autossabotagem. Dessa forma, por termos pouca representação de mulheres à frente de grandes negócios, fica sempre aquela dúvida: será mesmo que sou capaz de estar nessa posição? Isso realmente é para mim? Se fosse outra pessoa, obteria resultados diferentes dos meus?

A pesquisa “Perspectivas Sociais e de Emprego no Mundo: Tendências para Mulheres 2018”, conduzida pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), aponta que a quantidade de mulheres é quatro vezes menor que a de homens, quando o tema é a administração de empresas. Por conta dessa realidade, muitas vezes nos ancoramos no estereótipo do que seria um “homem de sucesso” ou “uma mulher de sucesso”. Uma coisa que tenho aprendido é que nesse quesito, vale a pena liderarmos como somos e acreditamos e que não há distinção do que é “um homem ou uma mulher de sucesso”.

Mesmo sabendo que o caminho é longo para a equiparação de gênero nos cargos de liderança, existe um forte movimento em prol do reforço da necessidade de termos empresas mais diversas e inclusivas.

O estudo da “Diversity Matters” de 2020, da consultoria McKinsey, comprovou que organizações que possuem equipes executivas com equidade de gênero têm 14% mais chances de superar a performance dos concorrentes. Isso porque a diversidade cria um ambiente de maior criatividade e ajuda a encontrar soluções para situações mais complexas por conta das múltiplas perspectivas.

Para você leitora, deixo aqui um convite. Seja o que você quiser, “se pode imaginar, você pode realizar”.
Se existe o desejo de ocupar um lugar de liderança dentro de uma empresa, ou abrir o seu próprio negócio, acredite e vá. Percorra o caminho necessário para alcançar seus objetivos. Lute todos os dias com a certeza de que sim, esse é o lugar que você pode ocupar.

Um movimento que fiz diante do desafio de estar à frente de uma empresa, é o de criar uma rede de conexão e apoio com pessoas de confiança e de múltiplas competências. Assim, sempre que preciso, seja no âmbito profissional ou pessoal, recorro a essa rede. O resultado disso tem sido incrível. A força e a conexão com aquilo que Deus nos deu vai se transformando numa potência criadora e transformadora incríveis. Se conectar com essa realidade nos ajuda a seguir com coragem e convicção de que esse é o melhor caminho.