No mês do Dia Internacional da Mulher, revisitamos algumas histórias bíblicas, que contam sobre grandes mulheres que marcaram a história e nos ensinam valores essenciais. 

Rebeca: bondade e generosidade como marca

mulheres bíblia - rebeca

Em Gênesis 24 somos apresentados à mulher que se tornaria uma das matriarcas do povo de Israel. Filha de Betuel, Rebeca havia saído de casa para realizar uma tarefa ordinária (pegar água no poço) em um dia normal quando tudo mudou. 

Deus tinha planos maiores para ela. E eles começam com o casamento com Isaque, que gerou o nascimento de muitos filhos — entre eles, Jacó, que viria a se tornar Israel.

Este é apenas um resumo de sua longa e linda história, mas vamos retornar ao texto que conta o início de tudo. Nele, o servo de Abraão é enviado para a Mesopotâmia a fim de encontrar uma mulher que pudesse ser a esposa de seu filho. 

Temendo não encontrar ninguém (ou trazer a mulher “errada”) o servo pede ajuda a Deus com sinais de que a moça seria a escolha certa: o homem pediria por água para si e, além de conceder o pedido, ela também se prestaria a saciar a sede de seus animais.

Foi exatamente o que aconteceu com Rebeca! Ela demonstrou àquele homem, logo no primeiro contato, que era muito mais que uma mulher formosa. Ela também tinha um coração bom e generoso, qualidades muito importantes para um ser humano em todos os tempos, inclusive nos dias atuais.

Com a história da “descoberta” de Rebeca, podemos aprender que a generosidade abre inúmeras portas, e ter um coração bondoso não faz mal a ninguém — muito pelo contrário! Devemos estar sempre dispostos a servir nossos irmãos, sem esperar nada em troca. 

Rute: a lealdade para com Deus e para com os seus

rute e Noemi

Os quatro capítulos do livro de Rute nos apresentam a história de uma mulher corajosa, determinada e que agiu com fidelidade e lealdade sem precedentes para com a sua sogra, Noemi.

Rute ficou viúva após a morte de Malom, seu marido por dez anos, e se viu em uma situação muito difícil, considerando que, pelos costumes da época, as mulheres dependiam muito financeiramente dos homens. Além disso, também não tinha filhos que pudessem ajudá-la na ausência do pai. Noemi, por sua vez, até teve filhos, mas ambos morreram, tal como seu esposo, e também era sozinha — a não ser por suas noras, sendo a outra chamada de Orfa.

A diferença entre as mulheres, porém, é que Rute e Orfa ainda estavam na idade de se casar novamente e poderiam ter partido em busca de um novo esposo. Noemi, por sua vez, já havia passado da idade marital, e resolveu voltar para a sua terra, Israel, a princípio levando suas noras consigo.

Este fato muda no meio da jornada, quando Noemi começa a estimular Rute e Orfa a retornarem a seu povo e procurarem novos maridos. Orfa decide retornar, mas Rute se compadece da sogra e toma uma ousada decisão, proclamando uma das falas mais bonitas de toda a Bíblia:

“Não insistas comigo que te deixe e não mais a acompanhe. Aonde fores irei, onde ficares ficarei! O teu povo será o meu povo e o teu Deus será o meu Deus! Onde morreres morrerei, e ali serei sepultada. Que o Senhor me castigue com todo o rigor, se outra coisa que não a morte me separar de ti”. (Rute 1:16,17)

A história se desenrola ao longo dos próximos capítulos, mas ambas encontram um final feliz diante do Senhor, sendo que Rute se torna mãe e, subsequentemente, a avó de um dos maiores reis que Israel já teve: Davi.

Esta bênção recebida por Rute demonstra que Deus não a esqueceu, mesmo nas adversidades, e que ele valorizou sua valente lealdade. Nisto, o caráter do Senhor não muda. Devemos agir da mesma maneira com nossos irmãos e, claro, sendo fiéis ao nosso relacionamento com Jesus.

Ester: a sabedoria de uma das heroínas do povo de Israel

mulheres bíblia - rainha ester

Uma das mulheres mais importantes da Bíblia, Ester originalmente se chamava Hadassa, nome hebraico cujo significado é “mirta” ou “murta”, uma flor bonita e bastante popular na região. 

Judia nascida quando seu povo já estava há 120 anos exilado na Pérsia, um dos maiores impérios da antiguidade, se tornou órfã e foi criada pelo primo, Mordecai, em meio às perseguições sofridas pelo seu povo.

Sua história, porém, dá uma guinada quando o rei persa Assuero decide realizar uma seleção para escolher sua nova esposa. As jovens mais belas de todo o reino foram convocadas, sendo Ester uma delas. Avançando no tempo, vemos que ela, guiada pelo Senhor, demonstra grande sabedoria e conquista o coração do Rei, se tornando a nova rainha da Pérsia.

Ao lermos o livro bíblico que leva o nome da rainha é possível perceber sua sabedoria em vários pontos da jornada de Ester, com destaques especiais para o período que passou no harém do rei sendo preparada para o concurso e quando protegeu seu povo das ferozes investidas do inimigo. 

Apesar de ter sido alçada a uma posição de muito prestígio e influência, Ester nunca se esqueceu de suas raízes e lutou pelo bem-estar do povo judeu com habilidade, valendo-se de sua posição — sem se esquecer, porém, de buscar ao Senhor antes de cada passo.

Viúva de Sarepta e Mulher Hemorrágica: Fé e ação andam lado a lado

Curiosamente, dois dos maiores exemplos de fé da Bíblia vem de mulheres que não tiveram seus nomes revelados. Sem entrar nos méritos do porque a redação foi feita assim, é possível pensarmos que o mais importante não era sua classificação social ou sua linhagem. Os relatos destas mulheres nos ensinam, cada um ao seu modo, que todos nós podemos realizar atos de enorme fé e testemunhar os milagres do Senhor em nossas vidas. 

A primeira delas é a história da viúva de Sarepta, que nos é apresentada no livro de 1 Reis, capítulo 17, versos 8 a 24. Mãe que claramente vivencia dificuldades financeiras junto a seu filho, à beira da fome, ela recebe a palavra do homem de Deus, Elias, e escolhe não apenas acreditar que a situação mudaria, com azeite e farinha voltando a fluir com abundância em suas vasilhas, mas a agir de acordo com isso, fornecendo a última refeição ao profeta.

A Bíblia, mais especificamente nos versos 15 e 16, nos diz que a fé da mulher foi recompensada e que a comida durou por muito tempo, até que a chuva voltasse à região e os alimentos se tornassem abundantes novamente. “Pois a farinha na vasilha não se acabou e o azeite na botija não se secou, conforme a palavra do Senhor proferida por Elias” (v.16).

Viúva de Sarepta

O segundo relato de fé inspiradora que temos é o da mulher hemorrágica, registrado nos Evangelhos, entre eles o do médico Lucas (Lucas 8:43-48), que detalha essa experiência.

Sofrendo há 12 anos com um sangramento que não parava, ela já havia gasto todos os seus recursos com vários tipos de tratamento, mas nada havia dado resultado. Mesmo assim, ela não desistiu. Entrou ousadamente na multidão, onde se espremeu para conseguir ao menos tocar na capa de Jesus.

Deu tão certo que o próprio mestre percebeu que havia saído poder dele ali mesmo, no ato. Ele, então, procurou a pessoa que o havia tocado. Por alguns instantes ela permaneceu em silêncio, com receio de ter feito algo errado. Nada mais longe da verdade: ao descobrir quem havia encostado em sua capa, Jesus traz o diagnóstico definitivo: “você sarou porque teve fé!”.

mulheres bíblia - Mulher Hemorrágica

Nos dois relatos, ambos maravilhosos, vemos que nem a fome nem a doença são capazes de parar o poder de Deus. Em comum, a Viúva de Sarepta e a (agora ex) Mulher Hemorrágica confiaram suas últimas esperanças à palavra do Senhor e não ficaram paradas. Elas agiram de acordo. 

Devemos fazer o mesmo. Independentemente das circunstâncias, precisamos crer — o que é essencial — e cuidar para que nossas ações sejam condizentes com nossas crenças.

Obviamente, é possível aprender mais de uma coisa com cada personagem citada neste texto, e Deus trabalha conosco de diversas formas por meio de sua Palavra. Este é apenas um recorte que permite que possamos aprender mais de forma canalizada com olhar voltado para alguns pontos específicos. Que o Senhor use os exemplos destas mulheres valorosas a fim de que possamos contribuir com nossa sociedade atual.