O cinema, também conhecido como “sétima arte”, foi criado em 1895. A ideia inicial era que ele fosse uma forma de entretenimento da população e depois começou a ser comercializado e render lucro. Hoje, além de tudo isso, o cinema se tornou uma poderosa ferramenta de impacto para a sociedade sendo utilizado, inclusive, como meio de propagação ideológica e alienação das massas e, também, passou a ser considerado, de fato, uma forma de arte.

O cinema por si só tem um poder de persuasão como poucas mídias. Segundo informações do estudo “Cinema e Sonho numa Perspectiva Psicanalítica”, da Universidade do Vale do Jataí, 98% de tudo o que vemos no cinema vai diretamente para nosso inconsciente, sem que possamos impedir ou bloquear. O inconsciente é uma parte do nosso cérebro que não controlamos e não conseguimos acessá-la a qualquer hora. Para os psicanalistas é a área onde se concentra boa parte de mensagens que direcionam nossa vida e que nem sabemos ao certo que estão ali.

Por meio do cinema, o espectador se emociona e reflete. Não conseguimos mensurar como duas horas em uma sala escura, apenas com os olhos e os ouvidos abertos para uma tela contando uma história, pode impactar a vida de alguém.

A lista de gêneros de filmes é grande e variada. No entanto, nos últimos anos, um gênero específico tem levado multidões ao cinema. A mensagem mais falada nos quatro cantos do mundo e que gerou mais transformação na história de todas as sociedades agora está nas telonas: a Palavra de Deus. Certamente este crescimento é devido ao poder que esta mensagem valiosa tem, somada às estratégias de persuasão do cinema.

Por meio do cinema, o espectador se emociona e reflete.

Hoje é possível encontrar uma lista longa de filmes cristãos que estiveram no cinema, levando milhares de pessoas e também uma outra lista daqueles que não chegaram ao cinema, mas podem ser vistos pelas plataformas de streaming. O cinema cristão é hoje um campo do mercado rentável e que surpreende as grandes produtoras quanto ao poder da história e como de fato ela move pessoas, emociona a todos e gera uma movimentação diferenciada. Haja visto que empresas especializadas em arte cristã são contratadas para trabalhar a divulgação destes filmes já que o mercado ainda não compreende por completo o público.

O impacto do cinema hoje

Não são poucas as histórias espalhadas pelo mundo de pessoas que foram impactadas pela mensagem do Evangelho. Da mesma forma, são milhares os testemunhos de pessoas que foram tocadas para uma mudança de vida a partir de um filme no cinema. Além de entretenimento, as histórias contadas por meio das telonas têm sido o “empurrão” que alguns precisavam para escolher viver uma nova jornada.

Considerando o potencial encontrado no cinema, pensar em produções que tragam para a sociedade o espaço para encontro com a Palavra de Deus e familiaridade com o Evangelho é uma jornada rica que devemos observar. A contagem de história, que é uma premissa do cinema, é um instrumento de linguagem riquíssimo.

uma família no cinema - filmes cristãos

A pregação da Palavra é insubstituível, mas até que as pessoas estejam inseridas em um contexto eclesiástico, elas precisam tomar consciência do pecado em que vivem e da vida que Cristo tem preparado para elas. Um filme é desenvolvido, em linhas gerais, a partir do processo de construção de um roteiro, somado à trilha sonora e gatilhos de emoção. Unir tudo isso à força da exposição do Evangelho, pode se tornar a peça que faltava para alguns.

Filmes cristãos podem ser uma ferramenta do Reino

Agora imagina conosco: 98% do que se vê no cinema vai direto para o mais profundo da nossa mente. Como deve ser a transformação na sociedade se esse conteúdo tiver como base os princípios cristãos, que para os que creem é a raiz de toda transformação à semelhança de Jesus Cristo? Que tipo de mudança vamos gerar na sociedade se mais e mais produções cristãs forem emplacadas nos cinemas pelo Brasil? Podemos gerar um grande impacto, concorda?

Se o cinema é uma ferramenta tão excelente de impacto, qual o valor que temos dado para os filmes cristãos que chegam ao cinema? Temos usado-o como estratégia em nossos evangelismos? Temos aproveitado do poder de persuasão para levar pessoas a ouvirem a Palavra de Deus?

O dever do cristão é produzir e consumir a arte como algo belo para a glória de Deus – disse o pensador Francis Schaeffer. Ele fala no seu livro A Arte e a Bíblia, que o cristão é alguém cuja imaginação deve voar além das estrelas. Ou seja, dotados da presença de Deus em nós, devemos ser instrumentos Dele também na arte que produzimos. Além disso, essa arte precisa glorificar, lembrar e levar as pessoas a Deus.

Igrejas que já utilizam o filme como recurso têm colhido bons frutos da realização de iniciativas envolvendo cinema.

Da mesma forma comentou Marja Ferreira Gomes, em sua monografia sobre Cinema e Cristianismo: a retomada da ética cristã na narrativa cinematográfica contemporânea: “Com uma proposta artística que representa sensitivamente a experiência real da cosmovisão cristã e promove profunda identificação e reflexão por parte do espectador, o filme marca um momento especial de inserção da ética cristã nas grandes salas de cinema, evidenciando a temática cristã diante do grande público”.

Jovens, crianças e velhos podem ser tocados por uma boa história contada. Deus nos proveu de sabedoria, inteligência, recursos e criatividade para usarmos a arte em prol do Reino. Nossas manifestações artísticas falam muito sobre nós e sobre o Cristo que cremos.
Igrejas que já utilizam o filme como recurso têm colhido bons frutos da realização de iniciativas envolvendo cinema cristão. Além disso, cristãos em todo o país têm se reunido e estudado sobre o tema para desenvolverem roteiros com princípios cristãos para que a cultura possa receber a interferência do Evangelho a partir do cinema. A Palavra de Deus proclamada onde for, de forma sábia e com propósito genuíno, gera frutos e frutos para a glória do Pai.