O breve Salmo 133 precisa de poucos versículos (apenas 3) para atestar um fato: “é bom e agradável que os irmãos vivam em união”. Segundo o mesmo texto, é ali, no ambiente de comunhão, que o Senhor concede a bênção da vida para sempre.

Mesmo com uma diretriz tão clara do Evangelho, porém, é comum, a todas as congregações, independentemente de seu tamanho, o desafio de conseguir envolver as pessoas em atividades que estimulem a comunhão.

Neste mês, a Revista Cristã começa uma série de textos que vai trazer ideias para que igrejas de todos os tamanhos possam aprofundar a comunhão entre os membros.

A igreja somos nós, mas a comunhão dos santos é necessária

Vamos tirar o elefante da sala logo de cara: sim, a salvação é individual, todos nós somos templos do Espírito Santo, mas isso não quer dizer que possamos nos ausentar dos ambientes de comunhão e compartilhamento.

E quem diz isso é a Bíblia. Em vários momentos. O texto sagrado nos diz para nos consolarmos uns aos outros (ref), para nos exortarmos, para orarmos uns pelos outros. Enfim. Exige que tenhamos contato com os outros integrantes do corpo de cristo.

Mas se você é daqueles que acha que o “discurso religioso não cola”, o fato dos homens precisarem uns dos outros foi notado e apontado por ninguém menos que Aristóteles, o célebre filósofo grego, que dizia que o homem é um “ser social” e precisa dos outros membros da espécie. 

Os desafios das igrejas menores

uniao 2

Quem só está começando a obra ou servindo em igrejas que ainda são pequenas acaba encontrando dificuldades de conseguir elaborar e implementar estratégias para que os membros interajam entre si e se engajem com as atividades institucionais.

Isso se dá por vários motivos, mas podemos citar a necessidade do pastor ser um “faz-tudo”, já que igrejas pequenas não costumam ter um grande corpo de colaboradores para atuar em diferentes frentes. Neste cenário, o líder fica sobrecarregado e, às vezes, com dificuldades de implementar ideias que incentivem os membros a comungarem.

Outro ponto também diz respeito à estrutura física dessas congregações que, muitas vezes, nem têm um lugar próprio para se reunir. Com isso, fica mais difícil criar um senso de pertencimento a um grupo naqueles que frequentam a instituição.

Um terceiro tópico que pode influir nessa dinâmica diz respeito aos recursos financeiros. É preciso ser mais criativo que o “normal” para conseguir implementar ideias que não custem uma fortuna aos cofres (geralmente combalidos) das instituições.

Ideias para estimular a comunhão em sua igreja

Perceba que, a todo momento, sempre dizemos que “é mais difícil” para as igrejas pequenas, mas nunca impossível. Basta um pouco de criatividade e muita vontade de fazer acontecer. Abaixo, damos algumas sugestões de atividades que podem contribuir para a evolução da comunhão em sua igreja:

• Promova encontros ao ar livre

Que tal uma opção que dá para fazer de graça e ainda com mais segurança em tempos de pandemia? Parques são ótimas opções para piqueniques, células e cultos ao ar livre, por exemplo. 

• Invista em grupos de estudo 

Pequenas reuniões para ler e discutir a Bíblia também servem como um grande catalisador de novos e duradouros relacionamentos nas igrejas. Mesmo que não sejam muitos, é importante dar a opção de algumas reuniões em dias alternados durante a semana para que os membros consigam participar e, ali, aprofundar suas raízes comunitárias.

igrejas pequenas grupo lendo a bíblia

• Some forças e firme parcerias

Quando o “material humano” é escasso, podemos ter a tendência a evitar sonhar grande. Mas, como diz o clichê, “unidos vamos mais longe”. 

Talvez a sua comunidade seja pequena para ações que ultrapassem os muros, mas, se você somar forças com outras igrejas pequenas ou instituições especializadas em voluntariado, esse pequeno grupo de pessoas pode alcançar grandes coisas. Ou seja: no começo, sua igreja não precisa iniciar tudo do zero!

• Saia da caixinha: jogos e “gamificação” podem abrir novas possibilidades.

Termo cada vez mais comum na indústria da tecnologia, a “gamificação”, ou seja, transformar o caminho em um jogo, pode ser muito interessante para uma igreja pequena em busca de reforçar a comunhão dos seus membros. 

Gincanas bíblicas com premiações, formação de times para arrecadação de alimentos com direito a um pequeno troféu no final, enfim. São muitas as ideias que podem ser utilizadas a fim de manter o corpo de membros engajado e animado.

Para finalizar, irmãos, lembremo-nos do texto de Eclesiastes 4, versículos 9 e 10:

“Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho.

Porque se um cair, o outro levanta o seu companheiro; mas ai do que estiver só; pois, caindo, não haverá outro que o levante”.