“Nunca ajude uma criança em uma tarefa que ela sente que pode realizar sozinha.” Maria Montessori

Essa frase é perfeita para iniciarmos essa conversa. Com 2 anos já começamos a ouvir a famosa frase: “eu sozinha”. A criança começa a perceber que é capaz de realizar tarefas sem ajuda e acha isso um máximo. Na prática, nós adultos temos dificuldade em ver as crianças se tornando cada vez mais independentes. Queremos praticidade, rapidez e muitas vezes isso não vai acontecer. A criança quer escolher a roupa com uma combinação inusitada, quer fazer tudo sozinha em momentos que estamos atrasados. Tudo pode ser divertido e também um caos. Como já contei para vocês, sei bem o que é isso. Mas é necessário deixarmos que elas desenvolvam essa independência e autonomia. 

A fase dos 2 anos é marcada pelo simbolismo, ou seja, as crianças fazem imitação da realidade. Começam o famoso faz de conta, fazendo construções simples que representam o outro objeto ou situação. Nessa fase, as crianças têm muito interesse em ajudar nas tarefas de casa, escolher a roupa, pentear os cabelos, escovar os dentes, ajudar no banho, e por aí vai. Uma fase muito importante para desenvolvermos a autonomia dessa criança. Fazer tudo por ela não vai ajudar no seu desenvolvimento. 

Estudos apontam a importância de envolver as crianças em tarefas domésticas. Um estudo feito pela Universidade de Minnesota (2002), afirma que envolver as crianças em tarefas domésticas tem um impacto positivo em suas vidas. Elas desenvolvem senso de responsabilidade, competência, autoestima, autoconfiança que perdurarão por toda vida. Segundo esse estudo, as crianças que ajudam em casa desde cedo têm melhor saúde mental e se envolvem mais com os estudos. Tudo isso, pois o envolvimento entre os membros da família e o senso de responsabilidade desenvolvem aspectos cognitivos e emocionais que vão auxiliá-lo por toda vida. 

Conversando com uma amiga sobre como minha filha gosta de escolher combinações inusitadas para sair, ela me disse algo que me fez refletir ainda mais sobre isso. Ela disse que adora a liberdade das crianças e como elas nos mostram que somos “quadrados” e “rígidos”. Ela ainda completou que essa liberdade incomoda muito os adultos. 

Precisamos olhar mais a vida através dos olhos de uma criança e estimular a autonomia e autenticidade em cada fase. 

Gostaria de deixar com vocês uma tabela retirada de um site com informações valiosas que vocês podem conferir depois (diiirce.com.br). Essa tabela vai te auxiliar a perceber quais tarefas a sua criança já é capaz de realizar sozinha em cada idade. Lembrando que não é uma regra e sim, um norte para te ajudar no seu dia a dia. 

Veja qual tarefa sua criança realiza sozinha e permita. Permita que ela faça, mesmo que tenha a sua ajuda. Crie estratégias para que elas se envolvam, sintam-se parte, independentes e que a rotina consiga se manter organizada.