No universo de ilusões da internet, o número de seguidores nem sempre carrega consigo a relevância que aparenta ter. No caso do desenhista e designer Marcus Nati, porém, o impacto é exatamente do tamanho do grande público que tem alcançado, principalmente no Instagram — talvez maior.

Talvez você não o reconheça somente por seu nome próprio, afinal, é a alcunha adotada como título da conta que alcança cada vez mais pessoas: Brother Bíblia.

Quem é o “brother”?

Desenhista e designer com formação também em teologia, Marcus Nati tem 45 anos e vive no Espírito Santo, onde é presbítero, pregador e professor na Igreja Presbiteriana do Brasil, em Jardim Camburi, bairro da capital Vitória.

Ele conta que começou a desenhar aos seis anos de idade por influência do desenhista Daniel Azulay, que mantinha um programa na TVE onde ensinava crianças mais sobre a arte.

Como surgiu o perfil? 

Marcus conta que não houve exatamente um planejamento para a criação do Brother Bíblia, perfil que tem, em sua história, um “empurrãozinho” dado por um colega ateu que trabalhava com o desenhista. “[O perfil] Surgiu em 2015, num momento de ociosidade, numa transição de uma igreja para outra, quando eu fiquei quatro meses inativo, sem igreja, e, nesse momento, eu fiquei ocioso, mas eu não parava de desenhar. Eu desenhava alguns desenhos de assuntos teológicos, porém, para a minha página pessoal do Facebook. Foi quando, então, um colega do meu trabalho, ateu, disse assim: ”por que que você não faz uma página só para os seus desenhos?”.

Após relutar diante do peso da responsabilidade que viria com a criação de uma página, Marcus avançou com o projeto e percebeu a rápida adesão de seguidores logo na primeira semana. Hoje, são mais de 227 mil seguidores no Instagram, e ele afirma que não esperava que a adesão fosse tão grande. Os feedbacks, porém, são positivos.

“Os principais feedbacks são do tipo: ‘que bacana a sua página!”; ‘Eu agora recebo incentivo para ler a minha Bíblia’. ‘Agora eu estou aprendendo a olhar pro texto e a organizar as ideias que ele traz!’. ‘Eu estou agora aprendendo a fazer um devocional porque a sua página ensinou’. ‘Eu estou agora aprendendo a fazer um culto doméstico porque a sua página ensinou’. ‘Estou aprendendo a fazer anotações e ter uma rotina de estudo depois que você deu algumas dicas’. Então, os feedbacks que me deixam bem satisfeito são esses, de pessoas que estão investindo na vida espiritual delas”, afirma.

arte brother bíblia

Jornada de desafios e alegrias

Com tantos feedbacks positivos e uma audiência tão grande, é natural que o ‘Brother Bíblia’ tenha muitas coisas boas para contar. Dentre todas elas, ele reforça que o maior regozijo da caminhada é a forma como o perfil contribui para que as pessoas cresçam na fé.

“A minha grande alegria é quando algumas pessoas admitem que estão se interessando por algo que é novo para elas. Algo que consegue traduzir bem, resumir bem, sem ser cansativo, que consegue, então, através dos desenhos, explicar, simplificar, resumir. Elas vibram quando aprendem, tendo conteúdo que é leve graficamente e informações que têm um visual leve e que elas podem salvar e compartilhar nas suas mídias sociais. Então, minha grande alegria é quando essas pessoas que não tinham contato com o interesse pela Bíblia agora passam a ter, e não só isso, também passam a divulgar aquilo que elas estão aprendendo”, diz.

Entretanto, nem só de alegrias é feita uma jornada como essa. Também há muitos desafios, como Marcus previu lá no início da página.

“O principal desafio da página é conseguir ser claro para aquele que não recebe conteúdo na sua igreja, na sua casa, para aquele que confessa ter preguiça de ler, ser claro para aquele que, no seu nicho de fé, no seu círculo de conversa, não têm contato com essas informações, com personagens da história da igreja, por exemplo”, explica Marcus, que complementa que isso ainda precisa ser feito de modo “claro e interessante”.

Processo de criação e produções favoritas

Marcus conta que, ao contrário do que muita gente pensa, o trabalho do Brother Bíblia é 100% realizado por ele. A inspiração para as pautas publicadas pode incluir (mas não se restringe a) pedidos de seguidores (como personagens específicos ou até polêmicas), materiais que estão sendo preparados para o ensino em sua igreja e, claro, inclui momentos curiosos.

“Curiosamente acontecem fatos bem inusitados. Por exemplo, eu fui ao supermercado comprar aveia, flocos, e eu olhei para a caixa daquela aveia ‘Quaker’ e me lembrei que, na história da igreja, eles também fazem parte, [sendo] contemporâneos aos puritanos. Eu fui pra casa pensando: ‘vou fazer um material em cima desse grupo protestante’. E aí divulguei uma série, os Quakers, e muita gente então disse que sequer imaginava que fosse um grupo de cristãos, mas pensavam que era uma pessoa, que era um homem, né? O homem da caixinha. 

brother bíblia

Outra fonte de pautas para o Brother Bíblia é o olhar aguçado de Marcus, que traz para a sua produção as observações e leituras que faz de comportamentos comuns no meio cristão. 

“Por exemplo, se eu vejo que há uma uma grande incidência de preguiça no meio da igreja, eu sou despertado a fazer uma arte nesse sentido. Então é muito importante também você estar a par do que te cerca, a par dos perigos que possam estar rondando a igreja, e você fazer uma crítica quanto a isso, fazer um desenho que desperte atenção sobre esses casos”, explica.

De todos os materiais já publicados (até a redação deste texto, eram 3.801 posts no Instagram), Marcus diz que as séries são as que o deixam mais satisfeito.

“As séries, por exemplo, sobre os puritanos, sobre os juízes. Pelo seguinte: essas séries demandam muito tempo pra você estudar, resumir, reunir as informações. E o que me deixou muito satisfeito foi ver o reconhecimento do público, dizendo que eram informações  que eles não tinham posse, que eles não tinham conhecimento e que agora eram materiais que conseguiam resumir bem”, afirma.

Dicas para artistas cristãos 

Para finalizar, Marcus deixa dicas para quem deseja iniciar um ministério no campo das artes, principalmente desenhos.

 “Nunca pare de se esmerar. Nunca pare de pensar em como aperfeiçoar. Conheça novos softwares, conheça novas ferramentas de produção, esteja a par de novidades, sinta prazer naquilo que você está fazendo e comunique bem, partilhe o que você está fazendo. Lembre-se que Deus preza pela beleza, assim como ele prezou pela beleza do tabernáculo, e eu considero importante que essa pessoa que lida com arte, com visual, ela experimente trabalhar para a sua igreja, por exemplo, no jornalzinho da igreja, tentando ser útil, criando uma página que ela possa, além de expor seu trabalho, a beleza do seu desenho, do seu trabalho, e ela possa associar o seu trabalho também à palavra de Deus. Então,  mantenha-se sempre bem informado, atualizado com as ferramentas e preze pela beleza, pelo esmero”, conclui.