Basta uma breve pesquisa no Google para perceber o tamanho da dúvida: centenas de páginas de artigos, blogs, vídeos de YouTube e muitos outros conteúdos tentando resolver o mesmo dilema que, por décadas, retumba na cabeça dos cristãos: afinal, é pecado beber? 

De modo geral, a Bíblia aparenta deixar essa questão em aberto e tanto aqueles que consideram que o ato de ingerir bebidas alcoólicas é pecaminoso quanto os que pensam que “uma dosezinha não faz mal” conseguem encontrar respaldo nas Escrituras. 

Sem tomar partido de um lado ou de outro, mas buscando contribuir com informações para que cada cristão tenha substância para tomar suas próprias decisões, hoje vamos elencar três argumentos a favor e três contra, partindo de três perspectivas: 

  • Perspectivas Bíblicas; 
  • Perspectivas da Saúde; 
  • Perspectivas Sociais. 

Perspectivas bíblicas a respeito da bebida alcoólica 

mão masculina apontando para um texto da bíblia

Só para que se entenda o tamanho do problema, um mesmo texto, a história das Bodas de Caná (João 2), pode servir de base para os argumentos de ambos os lados. 

Aqueles que são a favor logo dizem que “Jesus transformou água em vinho” e possibilitou a continuidade da festa, logo, o consumo de álcool é permitido. 

Os que dizem que “crente não pode beber vinho”, por outro lado, argumentam que é necessário analisar o contexto em que cada citação aparece, pois a tradução grega dos textos uniu diferentes termos dos escritos originais, como yayin e tirosh, por exemplo, em apenas uma palavra, oinos, e há momentos em que os textos se referem a um tipo de suco de uva não fermentado. Ou seja, sem álcool. 

Outra passagem utilizada pelo grupo dos que pregam abstinência total é a de Provérbios 23.31-35, que diz:

“Não olhes para o vinho, quando se mostra vermelho, quando resplandece no copo e se escoa suavemente. Pois ao cabo morderá como a cobra e picará como o basilisco. Os teus olhos olharão para as mulheres estranhas, e o teu coração falará perversidades. E serás como o que se deita no meio do mar, e como o que jaz no topo do mastro. E dirás: espancaram-me e não me doeu; bateram-me e nem senti; quando despertarei? Aí então beberei outra vez”. 

Já quem acha que beber não é pecado, busca auxílio em textos como “O vinho que alegra o coração do homem, e o azeite que faz reluzir o seu rosto”, que está em Salmo 104:15. e 1 Tm 5:23, em que o Vinho aparece como um remédio para o estômago. “…tome também um pouco de vinho, por causa do seu estômago e das suas frequentes enfermidades”. 

Quer dizer que a Bíblia está em cima do muro? Não, só que ela compreende toda a complexidade inerente ao assunto e não é taxativa a respeito da obrigatoriedade da abstemia. 

A bebida alcoólica do ponto de vista da saúde 

beber é pecado mão feminna segurando uma taça de vinho

A Bíblia mostra que Jesus foi o principal oponente das doenças. São variados os relatos de curas realizadas por ele ao longo de seu ministério. Além disso, o Livro Sagrado nos exorta, em vários momentos, a cuidar da saúde e a procurarmos ajuda se sofrermos com enfermidades. 

Portanto, é de bom tom que ouçamos o que nos dizem os especialistas a respeito do álcool. Para variar, não há um consenso específico a respeito do consumo ou não de bebidas. 

Uma frase que ganhou fama é a de que “uma taça de vinho tinto ao dia faz bem para o coração”. Entretanto, cardiologistas e pesquisadores de outras áreas se mostram reticentes em assinar embaixo desta afirmação, e recomendam moderação. 

Já a corrente contrária ao consumo de bebidas alcoólicas encontra amparo em pesquisas como o estudo observacional (ainda sem revisão por pares) conduzido por pesquisadores da Universidade de Oxford, no Reino Unido, que apontou menor volume de massa cinzenta por pessoas que tinham o hábito de beber e apontou que não há limite seguro para o consumo de álcool. 

O lado Social do consumo de álcool. 

beber é pecado pessoas fazendo um brinde com champagne

Já que estamos falando de estudos acadêmicos, pesquisadores da Universidade de Pittsburgh (EUA), em pesquisa que envolveu 720 adultos, apontaram que o consumo de álcool pode trazer benefícios sociais e sensações positivas, desde que realizado em grupo e com moderação

Essa redução no filtro social que causa a timidez, entretanto, pode rapidamente se tornar um problema. Há pesquisas que indicam que o consumo de álcool tem influência direta no aumento de acidentes de trânsito, violência doméstica e crimes violentos, por exemplo. Problemas estes que invadem, em número cada vez maior, os gabinetes de igrejas por todo o mundo. 

Então, se não há certeza se beber é pecado, qual é o caminho? 

Independentemente da sua posição — contra ou a favor —, é ponto pacífico que a Bíblia é taxativa ao condenar a embriaguez. Efésios 5:18, por exemplo, é claro ao dizer: “Não se embriaguem com vinho, que leva à libertinagem, mas deixem-se encher pelo Espírito (…)”. 

Até entre aqueles que acreditam na visão de que beber álcool, por si só, não é pecado, há o consenso de que é imperativo evitar excessos. O pastor Augustus Nicodemus, da Igreja Presbiteriana do Recife, é um deles: 

“A Bíblia nos ensina a viver uma vida de sobriedade em que a embriaguez certamente é condenada. Há várias passagens tanto no Antigo Testamento como no Novo Testamento que nos proíbem o uso excessivo de álcool”, explica ele no vídeo “O cristão pode beber moderadamente?”, publicado em 15 de julho de 2018. 

Além disso, os números de pessoas que sofrem com o alcoolismo não param de crescer. Somente no Brasil, a Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que existam cerca de 4 milhões de pessoas nessa condição, o equivalente a 3% da população brasileira acima de 15 anos, em outra triste estatística que assola também a casa do Senhor. 

Portanto, ao considerar os fatores para tomar sua decisão, lembre-se disto: “quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus. (1 Coríntios 10:31), e não deixe a bebida tomar o lugar de Jesus em seu coração.