Segundo o dicionário, vaidade é valorização que se atribui à própria aparência, ou quaisquer outras qualidades físicas ou intelectuais, fundamentada no desejo de que tais qualidades sejam reconhecidas ou admiradas pelos outros.

Essa definição diz muito para nós. A vaidade não é apenas ser apegado à aparência, mas também à admiração e reconhecimento dos outros. Este é um dos problemas da era que vivemos. A mídia reforça a ideia da exposição e ostentação. A cultura idolatra o belo corpo e a internet distribui imagens diversas de corpos expostos, como um catálogo. Como dizem alguns terapeutas, algumas pessoas têm levado uma vida “publicável na internet” para poderem ser aceitas, fazendo menção ao esforço das pessoas em criar momentos falsos para serem fotografados e exibidos pelas redes sociais. Tudo isso com foco em aprovação externa.

Para se ter uma ideia de como isso é um assunto sobre o qual devemos refletir, segundo a Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS, na sigla em inglês), organização global que congrega cirurgiões estéticos de 110 nações, em 2019, foram realizados no Brasil mais de 1 milhão e 400 mil procedimentos estéticos. Em 2020, mesmo com a pandemia e todas as restrições, houve um aumento de 30% na busca por esses procedimentos para melhorar o corpo.

mulher se olhando no espelho triste - vaidade pecado

Algumas pessoas sofrem emocional, financeira e fisicamente para ter o corpo que acreditam lhes trazer uma maior admiração de outras pessoas. O corpo é idolatrado e algumas vezes “melhorá-lo” vira razão de vida.
Começamos por explicar o que é vaidade para refletirmos profundamente sobre qual é a diferença da vaidade e do se cuidar de forma saudável. A linha entre o cuidado consigo e a vaidade é tênue. Nosso desafio principal é sondar diariamente nosso coração para compreender por qual motivo cuidamos do corpo.

Cuidar do corpo faz parte da missão do Cristão

O apóstolo Paulo diz em I Coríntios 6:19 e 20: “Ou não sabeis que o nosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus”. Nosso corpo é o templo de Deus. Carregamos Deus em nós para a manifestação da Sua glória na Terra. Somos mordomos da presença de Deus, de Sua atuação em nós e por meio de Deus. Aprouve a Ele nos criar para a glória Dele e nosso corpo é instrumento para isso.

Somos exortados a valorizar nosso corpo sob a ótica correta. Por isso, precisamos sim cuidar dele, que tem uma missão valiosíssima. Boa alimentação, exercícios físicos, meditação, jejum, dentre outras coisas devem sim fazer parte da nossa rotina.

Em I Tessalonicenses 5.23 lemos: “e o vosso espírito, alma e corpo sejam conservados íntegros e irrepreensíveis na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” e em Efésios 5:29 lemos: “Porque ninguém jamais odiou a própria carne; antes, a alimenta e dela cuida…”. Deus nos orienta a cuidar de nosso corpo, amá-lo, porque ele também é obra Dele, mas todo culto deve ser somente a Deus. Quando o Senhor nos alerta a não ter outros deuses, ele falava de coisas muito mais profundas do que apenas ídolos de madeira.

Paulo nos dá uma orientação para nossa jornada importantíssima que deve ser considerada também ao cuidar de nosso corpo. Em I Coríntios 9:24 a 27 vemos: “Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. Todo atleta em tudo se domina; aqueles, para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, a incorruptível. Assim corro também eu, não sem meta; assim luto, não como desferindo golpes no ar. Mas esmurro o meu corpo e o reduzo à escravidão, para que, tendo pregado a outros, não venha eu mesmo a ser desqualificado”.

Ele usa o esporte como metáfora para sua missão e destaca que o atleta em tudo se domina. Como atletas devemos correr para nossa recompensa incorruptível, o alvo maior de nossas vidas. No caso de Paulo, ele realmente precisava cuidar de seu corpo para que ele pudesse levá-lo onde ele precisasse, porque sua ânsia era por pregar a Cristo e seu corpo não poderia ser empecilho.

Não há relatos de como ele se cuidava, mas em seus registros compreendemos a importância de estarmos firmes e fortes para nossa jornada de lutas. Desta forma, cuidar do corpo se torna, neste sentido, uma missão do cristão. O seu corpo é “o meio de transporte” para levar a Palavra na jornada do cristão aqui na Terra. Somos templo de Deus, carregamos Sua presença em nós.

Não há pecado em exercitar e ser exigente com alimentação. Não há pecado em fazer isso em prol de um corpo melhor. O erro está no motivo que nos leva a desejar esse corpo melhor. A Palavra de Deus nos orienta a cuidar de nosso corpo e de nossa mente. Eles são dádivas de Deus e merecem toda a nossa atenção. No entanto, se este cuidado nos leva a abrir mão de coisas valiosas em troca de ter o corpo dos sonhos para aprovação externa, pecamos!
Todos os nossos desejos devem ser sondados: essa escolha glorifica a Cristo?
Essa é a medida que precisamos para não sermos engolidos pela vaidade desse tempo.