O que motiva alguém a entrar na universidade? As respostas a essa pergunta são as mais diversas. Muitos estão de olho apenas na questão financeira, já que um curso superior proporciona melhores colocações no mercado de trabalho. Há também quem busque status, pois em regra os diplomas universitários concedem uma boa posição social. Há ainda aqueles que ingressam no ensino superior “por inércia”, como trajetória natural uma vez vencido o ensino médio.

Enfim, são inúmeros os motivos que levam alguém à universidade. Mas com o cristão é (ou deveria ser) diferente. A sua motivação é outra, seus motivos estão escritos na Bíblia e cada crente precisa dessa clareza em sua mente e coração. É bem verdade que tudo na vida do cristão é diferente, como Paulo nos ensina em dois textos bem conhecidos: Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus (I Coríntios 10.31) e Tudo o que fizerem, façam de todo o coração, como para o Senhor, e não para os homens (Colossenses 3.23).

Assim, podemos dizer de forma genérica que tudo na vida do crente deve ser voltado para a Glória de Deus e focado no avanço do seu Reino, o que, obviamente, inclui a universidade. Mas nesse caso há um texto bíblico ainda mais específico que cada filho de Deus deve guardar durante o período de graduação. É o que está escrito em Gênesis 1.28, registro das palavras do Criador no momento em que fez o homem e a mulher:

Deus os abençoou, e lhes disse: “Sejam férteis e multipliquem-se! Encham e subjuguem a terra! Dominem sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se movem pela terra”.

Você já parou para pensar no que realmente esse texto quer dizer? Quando o Senhor criou o homem, deu a ele habilidades e capacidades não apenas de cuidar da criação, mas de desenvolvê-la. Em outras palavras, Deus dotou o homem de inteligência capaz de criar computadores, celulares, aviões, obras de arte e vacinas, dentre outras habilidades. Essas competências não surgiram com a Queda (embora por causa dela também tenhamos criado bombas e campos de concentração, por exemplo), mas faziam parte do plano original de Deus para a humanidade.

Esse comando divino que lemos em Gênesis 1.28 é o que chamamos de Mandato Cultural. Veja o que Nancy Pearcey diz sobre ele:

A primeira frase – ‘Frutificai, e multiplicai-vos’ – significa desenvolver o mundo social: formar famílias, igrejas, escolas, cidades, governos, leis. A segunda frase – ‘enchei a terra, e sujeita-a’ – significa subordinar o mundo natural: fazer colheitas, construir pontes, projetar computadores, compor músicas. Esta passagem é chamada de o mandato cultural, porque nos fala que nosso propósito original era criar culturas, construir civilizações – nada mais”.

É nesse ponto que a motivação do cristão ao ingressar na universidade deve ser totalmente impactada. O que o move não é o desejo de ganhar dinheiro ou adquirir status social. O verdadeiro cristão deseja crescer no conhecimento da criação, das relações humanas, da biologia, da tecnologia e em tantas áreas ofertadas pelos diversos cursos de graduação.

Esse é o chamado de Deus para você, cristão universitário, independente da área do conhecimento escolhida. Que a beleza da criação e do homem em toda sua complexidade possa empolgar seu período na universidade do primeiro ao último dia. E que cada aula seja absorvida com a alegria de saber que, ao crescer em conhecimento, você está glorificando a Deus e cumprindo o chamado para o qual ele te criou.

1 – PEARCEY, Nancy. Verdade Absoluta. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p. 51.