DIA 1 

Vamos manter o foco 

“…segundo a minha ardente expectativa e esperança de que em nada  serei envergonhado; antes com toda a ousadia, como sempre, também agora,  será Cristo engrandecido no seu corpo, quer na vida, quer na morte”.  FILIPENSES 1:20 

Tudo para Ele. “…segundo minha ardente expectativa e esperança de que em nada serei envergonhado…”. Todos nós nos sentiremos imensamente envergonhados se não nos rendermos a Jesus justamente nas áreas das nossas vidas  que Ele pediu que entregássemos aos Seus cuidados. É como se o apóstolo Paulo  estivesse dizendo: “Meu maior e mais determinado propósito na vida é ser tudo para  o Altíssimo — dar o meu melhor para a Sua glória.” Alcançar esse nível de determinação é uma questão de vontade, e não de debate ou racionalização. É uma absoluta  e irrevogável rendição da vontade num determinado momento da vida. A excessiva  racionalização e consideração por nós mesmos é o que nos impede de tomarmos  essa decisão, embora a encobrimos com o pretexto de que estamos considerando os  outros.

Quando pensamos seriamente sobre o custo que a decisão de obedecermos  ao chamado de Jesus acarretará aos outros, dizemos para Deus que Ele não sabe o que  a nossa obediência significará. Contudo, mantenha o foco — Ele sabe. Exclua qualquer  outro pensamento e permaneça diante de Deus com um único objetivo — tudo para  Ele. Estou determinado a pertencer completa e absolutamente a Ele e somente a Ele. Minha incessante obstinação por Sua santidade. “Quer essa decisão significa vida ou morte — isso não faz diferença!” (Filipenses 1:21). Paulo estava convencido  de que nada poderia detê-lo em seu propósito de fazer exatamente o que Deus  queria. Entretanto, antes de escolhermos seguir a vontade de Deus, uma crise deve  se desenvolver em nossos corações. E isto acontece porque tendemos a nos esquivar e não sermos responsivos aos toques sutis de Deus em nossas vidas. Ele nos  conduz a uma situação diante da qual nos pede que sejamos o nosso melhor para  Ele, e começamos a argumentar. Deus, providencialmente, permite acontecer uma  crise em que temos que tomar uma decisão: a favor ou contra. E esse momento  torna-se uma grande encruzilhada em nossas vidas. Se uma crise o ameaça, tão  somente sujeite a sua vontade a Jesus, absoluta e irrevogavelmente.

DIA 2 

O dilema da obediência 

 “…Samuel […] temia relatar a visão a Eli”. 1 SAMUEL 3:15 

Deus nunca fala conosco de modo dramático, mas o faz de maneiras que são fáceis de mal interpretar. Então dizemos: “Será que é mesmo a voz de  Deus?” Isaías disse que o Senhor lhe falou “…tendo forte a mão…”, o que  significa: mediante a pressão das suas circunstâncias (ISAÍAS 8:11). Sem a mão soberana do próprio Deus, nada toca as nossas vidas. Discernimos a ação da Sua mão  ou vemos tudo como mera coincidência? 

Desenvolva o hábito de dizer: “Fala, Senhor”, e a vida se tornará um romance  (1 SAMUEL 3:9). Todas as vezes que as circunstâncias pressionarem sua vida, diga:  “Fala, Senhor” e prepare-se para ouvi-lo. A correção é mais do que um meio de disciplina — ela existe para levar-me ao ponto de dizer: “Fala, Senhor”. Relembre um  momento em que Deus lhe falou. Você se lembra do que Ele disse? Foi pelas palavras do livro de Lucas 11:13, ou com o texto de 1 Tessalonicenses 5:23? À medida  que ouvimos, nossos ouvidos se tornam mais sensíveis e como Jesus, ouviremos  Deus em todo o tempo.  

Devo dizer ao meu “Eli” o que Deus me revelou? É neste ponto que o dilema  da obediência nos atinge. Desobedecemos a Deus nos tornando ajudantes ama dores e pensando: “Tenho que proteger ‘Eli’”, que representa as pessoas mais que ridas que conhecemos. Deus não mandou Samuel dizer algo a Eli — ele precisava  decidir-se por si mesmo. A mensagem de Deus para você poderá ferir o seu “Eli”,  mas tentar evitar esse sofrimento na vida de outra pessoa demonstrará ser uma  obstrução entre a sua alma e Deus. É por sua conta e risco que você prevenirá  que a mão direita de alguém seja cortada ou que o olho direito seja arranca do (MATEUS 5:29-30).  

Nunca peça o conselho de alguém sobre qualquer assunto ou atitude que Deus  tenha mandado você realizar diante dele. Se você ouvir um conselho nessas circunstâncias, estará quase sempre do lado de Satanás. A Bíblia alerta: “…sem detença, não consultei carne e sangue” (GÁLATAS 1:16).

DIA 3 

A força irresistível do chamado 

“…ai de mim se não pregar o evangelho!”  1 CORÍNTIOS 9:16 

Cuidado ao recusar-se a dar ouvidos ao chamado de Deus. Todos os salvos são igualmente chamados para testemunhar do fato de sua salvação. O que,  entretanto, não é o mesmo que ser chamado para pregar, mas apenas  uma ilustração que pode ser usada como exemplo numa pregação. Nesse versículo, Paulo referia-se às dores produzidas em seu corpo pela força irresistível  do chamado para pregar o evangelho. Jamais tente aplicar o que Paulo disse em  relação ao chamado para pregar àquelas almas que estão sendo chamadas por  Deus para a salvação. Não há coisa mais fácil do que ser salvo, e isso por se tratar  de uma obra exclusiva e soberana de Deus — “Olhai para mim e sede salvos…”  (ISAÍAS 45:22). O nosso Senhor não requer as mesmas condições para o discipulado  que Ele exige para a salvação. Estamos “condenados” à salvação por intermédio da  

Cruz de Cristo. Mas o discipulado é opcional: “Se alguém…” (LUCAS 14:26). As palavras de Paulo têm a ver com a nossa transformação em servos de Jesus  Cristo, e, nesse sentido, nossa permissão jamais é solicitada quanto ao que faremos  nem para onde iremos. Deus nos trata como o “pão partido” e o “vinho derramado”  para o Seu agrado. Ser “separado para o evangelho” significa ser capacitado para  ouvir o chamado de Deus (ROMANOS 1:1). Uma vez que alguém começa a ouvir esse  chamado, produz-se um sofrimento digno do nome de Cristo. De repente, toda a  ambição, todos os desejos humanos e cada perspectiva são completamente apaga das e extintas. Permanece apenas: “…separado para o evangelho…”. Ai da alma que  tenta ir a qualquer outra direção uma vez tendo recebido o chamado. A Faculdade  de Ensino Bíblico existe para que cada um de vocês possa saber com mais segurança se, de fato, Deus tem aqui um homem ou uma mulher que verdadeiramente  tem amor pela proclamação do Seu evangelho e se consegue perceber as sinalizações de Deus nesse propósito. Cuidado com os demais apelos que tentarão  competir com o chamado que Deus lhe deu.

DIA 4 

Sua capacidade de ver a Deus está obscurecida? 

“Levantai ao alto os olhos e vede. Quem criou estas coisas?…”  ISAÍAS 40:26 

O povo de Deus na época de Isaías desnutriu sua imaginação contemplando a face dos ídolos. Entretanto, o profeta Isaías os fez olhar para os céus; isto  é, os fez começar a usar corretamente a imaginação. Se nós somos filhos de  Deus, temos um tremendo tesouro na própria natureza e perceberemos que isso é santo e sagrado. Veremos Deus chegando até nós em cada sopro de vento, em cada nascer  e pôr do sol, em todas as nuvens no céu, em cada flor que se abre, em cada folha que  cai, se tão somente começarmos a usar nossa imaginação faminta para visualizá-lo.  O verdadeiro teste do enfoque espiritual é ser capaz de conduzir os seus pensamentos e imaginação sob controle. Será que sua mente não está focada na face  de algum ídolo? Será que esse ídolo não é você mesmo? Seu trabalho? Talvez sua  maneira de compreender como o servo deveria ser, ou talvez a sua experiência de  salvação e santificação? Se assim for, sua capacidade de ver Deus está obscurecida.  Você se sentirá impotente quando tiver que enfrentar dificuldades e for forçado a  suportá-las na obscuridade. Se sua capacidade de enxergar foi cegada, não olhe para  trás em busca de suas próprias experiências, mas foque em Deus. É dele que você precisa.

Supere-se e afaste-se das faces de seus ídolos e de tudo que tem obscurecido  o seu pensamento, sua imaginação. Acorde e aceite o conselho óbvio de Isaías ao  seu povo, ao dizer: “Levantai ao alto os olhos e vede. Quem criou estas coisas?…”  (ISAÍAS 40:26), e espontaneamente, volte os seus pensamentos e o seu olhar para Deus. Uma das razões de nosso sentimento de futilidade na oração é por termos perdi do nossa capacidade de visualizar. Não imaginamos mais o que é, espontaneamente,  depositar todo o nosso ser no altar de Deus. Na verdade, é mais importante sermos  “pão partido” e “vinho derramado” na área da intercessão do que em nossos contatos pessoais com os outros. Deus concede o poder da imaginação ao santo a fim de  que este possa ir além de si mesmo e estabelecer relacionamentos bons e seguros,  como nunca antes vividos.

DIA 5 

A maior fonte de poder 

“E tudo quanto pedirdes em meu nome, isso farei… ” JOÃO 14:13 

Será que estou cumprindo este ministério de intercessão no mais íntimo do meu ser? Não há cilada, nem qualquer perigo de ser decepcionado ou de  demonstrar arrogância na intercessão verdadeira. Trata-se de um ministério  que produz frutos por meio dos quais o Pai é glorificado. Será que estou deixando que minha vida espiritual definhe ou estou concentrado, fazendo tudo convergir para um ponto central — a expiação do meu Senhor? Será que Jesus Cristo está  dominando, mais e mais, todos os interesses da minha vida? Se o ponto central ou  a influência mais poderosa da minha vida for a expiação do Senhor, então cada  área da minha vida frutificará para Ele. 

Entretanto, devo usar o tempo necessário para compreender qual é este ponto  central de poder. Estou disposto a ceder um minuto de cada hora para concentrar-me nisso? “Se permanecerdes em mim…” — isto é, se continuar a agir, pensar  e trabalhar a partir desse ponto central — “…pedireis o que quiserdes e vos será  feito” (JOÃO 15:7). Estou, de fato, permanecendo? Estou reservando tempo para permanecer em Cristo? Qual é a maior fonte de poder em minha vida? Será o trabalho,  o ministério, o sacrifício por outros ou as tentativas de trabalhar para Deus? Não  deveria ser nenhuma destas. O que deveria exercer a maior fonte de poder em  minha vida é a expiação do Senhor em mim. O que mais nos molda não é aquilo  a que dedicamos mais tempo, mas o que exerce maior poder sobre nós. Devemos  nos determinar a limitar e concentrar os nossos desejos e interesses na expiação  pela Cruz de Cristo. 

“E tudo quanto pedirdes em meu nome, isso farei…”. O discípulo que permanece em Jesus é a vontade de Deus, e suas escolhas aparentemente livres são, na  verdade, os próprios decretos pré-estabelecidos por Deus. Misterioso? Parece algo  logicamente contraditório e totalmente absurdo? Sim, mas que gloriosa verdade  para um santo de Deus.

DIA 6 

Fontes de bênçãos 

“…a água que eu lhe der será nele uma fonte a jorrar para a vida eterna.” JOÃO 4:14 

A imagem que o Senhor descreve aqui não é a de uma simples corrente de água, mas de uma fonte transbordante. Continue a “encher-se” (EFÉSIOS 5:18),  e a doçura do seu relacionamento vital com Jesus fluirá do seu interior com  a mesma generosidade que lhe foi concedida. Se você perceber que a vida de Jesus  não está brotando como deveria, a culpa é sua — algo está obstruindo o fluxo. Foi  Jesus quem lhe disse para manter–se focado na Fonte a fim de que você pudesse  ser pessoalmente abençoado? Não, você deve permanecer focado na Fonte, e do  

seu interior “fluirão rios de água viva” — uma vida irrepreensível (JOÃO 7:38). Devemos ser fontes pelas quais Jesus possa fluir livremente como “rios de água  viva” em bênçãos para todos. Entretanto, alguns de nós são como o mar Morto,  sempre recebendo, mas nunca oferecendo, porque nosso relacionamento não está  correto com o Senhor Jesus. Assim como recebemos Suas bênçãos, Ele nos usará  para derramar bênçãos. Mas, quando as bênçãos não são derramadas na mesma  medida em que são recebidas, há uma falha em nosso relacionamento com Ele.  Existe algo entre você e Jesus Cristo? Existe algo que o impeça de crer nele? Se  não houver, diz Jesus, do seu interior “fluirão rios de água viva”. Não se trata de uma  bênção que se passe adiante nem de uma experiência que você deva compartilhar  com outros, mas de um rio que flui continuamente do seu interior. Mantenha-se  junto à Fonte, conserve sua fé em Jesus Cristo e seu relacionamento com Ele, haverá um fluxo permanente a jorrar do seu interior para a vida dos outros sem nenhuma sequidão ou morte. 

É exagerado dizer que rios fluirão daquele que crê? Você olha para o seu interior e diz: “Mas eu não vejo esses rios”? Pela história da obra de Deus, você normal mente descobre que Ele começa com o vago, o desconhecido, o desprezado, mas  firmemente fiel a Jesus Cristo.

DIA 7 

A natureza da regeneração 

“Quando […] aprouve revelar Seu Filho em mim…” GÁLATAS 1:15,16 

Se Jesus Cristo me regenerar, qual o problema que Ele enfrenta? É simples mente este —tenho uma hereditariedade na qual não tenho palavra ou decisão; não sou santo, nem é provável que venha a ser; e se tudo que Jesus Cristo  pode fazer é me dizer que devo ser santo, Seu ensino somente me leva ao desespero. Mas se Jesus Cristo é verdadeiramente um regenerador, alguém que pode colocar Sua própria hereditariedade de santidade em mim, então, posso começar a ver  o que Ele quer dizer quando diz que devo ser santo. A redenção significa que Jesus  Cristo pode colocar em qualquer pessoa a natureza da hereditariedade que estava  nele mesmo, e todos os padrões que Ele nos dá estão fundamentados nessa natureza — significa que Seu ensinamento é para ser aplicado na vida que Ele coloca  dentro de nós. A atitude adequada de minha parte é simplesmente concordar com  o veredito de Deus sobre o pecado conforme julgado na Cruz de Cristo. 

O Novo Testamento ensina que a regeneração ocorre quando uma pessoa é  atingida por sua própria percepção da necessidade, Deus colocará o Espírito Santo  em seu espírito, e o seu espírito pessoal será vivificado pelo Espírito do Filho de  Deus — “…até ser Cristo formado em vós” (GÁLATAS 4:19). O milagre moral da redenção é o fato de que Deus pode colocar uma nova natureza em mim por meio da  qual posso viver uma vida totalmente nova. Quando finalmente alcanço o limite  da  minha necessidade e reconheço minhas próprias limitações, então Jesus diz:  “Bem-aventurados sois…” (MATEUS 5:11). Mas devo chegar a esse ponto. Deus não  pode colocar em mim, a pessoa moralmente responsável que sou, a natureza que  estava em Jesus Cristo a menos que eu esteja ciente da necessidade que tenho dela. 

Assim como a natureza do pecado entrou na raça humana por meio de um  homem, o Espírito Santo entrou na raça humana por meio de outro Homem  (ROMANOS 5:12-19). E a redenção significa que posso ser liberto da hereditariedade  do pecado, e que por meio de Jesus Cristo posso receber uma hereditariedade pura  e imaculada, a saber, o Espírito Santo.